Jump to content


Photo

Cosmos, Série Da Supernova Produções

snp supernova supernova produções cosmos

  • Please log in to reply
No replies to this topic

#1 emiliobaracal

emiliobaracal

    Novato

  • Membros
  • Pip
  • 8 posts

Posted 23 March 2014 - 10:14 PM

Olá pessoal, tudo bem? 

 

Sei que é grande, mas vale à pena a leitura. Encarem como aquelas entrevistas da Veja ou da Playboy, que são bem longas, normalmente. 

 

(piadas sobre quem lê as entrevistas na Playboy em 3, 2, 1...)

 

Inicio aqui uma série de posts sobre a SNP (para encurtar), que não posto numa postagem só para não ficar grande demais e, portanto, cansativo demais. Já fiz uma postagem sobre a SNP em geral, que é esta aqui: http://centraldequad...nova-producoes/ e uma para cada projeto da SNP. Agora falo de Cosmos. 

 

 

:: Vamos falar das séries da SNP. Sobre o que é Cosmos? Qual é o enredo?

Cosmos conta a história de uma criança que nasceu e cresceu na Terra, mas que tem como pai um alien grey e mãe humana, que havia sido abduzida para inseminação artificial, de modo que ele é uma experiência de nossos vizinhos intergaláticos: o que aconteceria se, ao invés de levarem a criança embora após o parto - como acontece em casos ufológicos semelhantes - ela nascesse e crescesse aqui? Como se desenvolveria? Como ela seria afetada por seu ambiente e o ambiente a ela? A humanidade mudaria? Para que caminho? Essencialmente é exopolítica, mas com muita ação no meio.

 

 

Sempre tive várias ideias e pensamentos de porque a humanidade caminha cada vez mais para o buraco, para a extinção, sobre como nosso sistema de vida capitalista nos está destruindo cada vez mais e em como também falhamos com outros sistemas, como o comunismo. Também sempre me fascinou o nível pessoal e individual dos seres humanos, não só o coletivo. Você sabe o que é frio porque conhece o conceito de quente. Sabe o que é alto porque conhece o conceito de baixo. Tudo é relativo, relativismo. Precisamos de variedade e diferenciação para saber o que é uma coisa e o que é outra. Através de Carlos, nome real de Cosmos, iremos levantar essas questões. Os fins justificam os meios? Somente pensamos quando confrontados com um problema? A vida será mais bem vivida quanto menos sentido tiver? A razão vive na linguagem? Liberdade é o poder que temos sobre nós mesmos? Essas e outras questões estarão disfarçadas nas histórias de Cosmos, debaixo da ação, aventura e dos embates clássicos enfrentados por heróis.

 

 

Dentre as características que Carlos tem, posso dizer que ele é muito inteligente e sensível. Ele tem uma grande capacidade de raciocínio, velozmente analisando algo ou uma situação dos mais variados pontos de vista possíveis. Claro que ele não terá todas as respostas e isso é uma das razões de porque agirá como um herói. A sensibilidade dele foca-se em sua capacidade de perceber as sutilezas de coisas, acontecimentos, sentimentos e ações das pessoas ao seu redor e no coletivo. Com certeza ele não é um conformista, questionando tudo e todos, mas de uma maneira sábia e ponderada, ele não é adepto da violência. Prefere evitá-la, prefere encontrar outros caminhos usando de psicologia reversa, fazendo os envolvidos refletirem sobre o que estão fazendo. Devido à sua mistura genética, ele tem apenas três dedos nas mãos e nos pés, globos oculares totalmente negros e é albino, tendo cor de pele e cabelos característicos dessa diferença visual. Seu traje é mais sóbrio, tendência que será seguida por todos os personagens da SNP. Sem nada colorido demais. As cores de Cosmos são preto com detalhes em cinza, mais pé no chão. Seu símbolo é um eclipse que forma a letra C. Um eclipse é metáfora para sua condição de híbrido, pois o eclipse é formado por duas metades bem opostas.

 

Sempre fui entusiasta da ufologia. Não me considero um ufólogo porque não saio a campo investigando. Mas sempre me mantive informado sobre o assunto, tenho, por exemplo, tudo que a revista UFO já publicou em termos de revistas mensais, especiais, etc. Ainda não tenho a coleção completa de livros e DVDs, mas estou no caminho para isso. Ou seja, são mais de duas décadas absorvendo o tema. E dentro da ufologia, sempre fui fascinado pela exopolítica, que é a área da ufologia que trata do impacto em nossa sociedade caso seja confirmada a vida inteligente fora da Terra. O quanto mudaremos? O que mudaremos? Como mudaremos? Consequências, basicamente. E por que aqui? O Brasil é o terceiro país com maior incidência de casos ufológicos no mundo, perdendo apenas para EUA e Índia. Se levarmos em conta o número de casos a nível mundial e que 95% deles revelam-se ou fraudes ou enganos e que os outros 5% são casos que não tem explicação e merecem genuinamente uma investigação criteriosa, parece pouco. Mas ao pegar os números concretos, 5% acaba sendo muita, mas muita coisa mesmo. Então temos um material farto e denso a ser usado como referência. Há substância e base para criar as histórias de Cosmos.

 

 

:: Que tipos de vilões teremos para Cosmos?

Não consigo responder isso somente para Cosmos. É que a SNP tem uma filosofia sobre como trabalharemos vilões em geral, ou seja, para todas as séries.

 

 

Um dos dogmas e diferenciais da SNP é procurar evitar os clichês das histórias de heróis extraordinários. Uma das coisas que queremos é falar sobre o impacto da existência desses seres na sociedade humana. Mostrar que as coisas mudam. Alguma para melhor, outras para pior. Mas incólume não fica. Os vilões do Universo SNP serão construídos em cima desses questionamentos, simbolizando os conflitos que nós, como seres humanos, passamos. Exemplo: em Cosmos há a seguinte questão, entre muitas, "Quais seriam as implicações religiosas?"

 

Um vilão será adorado com um deus, como um salvador. Haverá uma seita/religião em torno dele. A ideia é discutir o fanatismo religioso. Através de como Cosmos lida com isso é que abordaremos o tema do fanatismo religioso. Como religião pode ser saudável? Como ela pode ser prejudicial? Como cada um tem que lidar com os dogmas religiosos? Eles são inquestionáveis? Se não, por que não? Se sim, por que sim? Quando é que, dentro de uma religião deixamos de pensar? Ou o que acontece (no lado bom e no lado ruim) conosco se, caso religioso, você pensa dentro da religião que pratica? E o que acontece quando um grupo de pessoas torna o próprio Cosmos um alvo de adoração? Como ele lida com isso?

 

Dessa forma, em Cosmos, as perguntas maiores seriam: Quais seriam as implicações políticas?  Países se uniriam ou as diferenças se intensificariam? E quais diferenças? Caso role a união, por que e para que? Como a existência de vida extraterrestre inteligente mexeria com o orçamento de cada país? O que viraria prioridade e o que se tornaria supérfluo? Como o povo reagirá com o posicionamento tomado por seus governantes? Isso criaria conflitos onde? E colaboração onde? Agora imagine esses mesmos desdobramentos nos seguintes campos: Quais seriam as implicações econômicas? Quais seriam as implicações trabalhistas? Quais seriam as implicações religiosas? Quais seriam as implicações históricas? Quais seriam as implicações científicas? Quais seriam as implicações militares? Quais seriam as implicações familiares? Quais seriam as implicações psicológicas?

 

Como o ser humano - como pessoa e como coletivo - lidaria com as mudanças em cada campo da sociedade? Cosmos pode ser resumido como uma série de questionamentos sobre vida vs. consequencia. Em todos os títulos da SNP haverá posicionamento semelhante. Cada uma dessas perguntas - e outras que podem e vão surgir - tem seus desdobramentos e perguntas derivadas. Funciona assim em todos os títulos.

 

Dessa maneira, nosso vilões simbolizarão esses questionamentos. E a maneira como nossos personagens irão lidar com esses questionamentos é um dos grandes diferenciais do Universo SNP.

 

:: Como são os outros personagens de Cosmos? Como será o elenco de apoio?

Primeiro, temos Oscar e Leila, os pais de Cosmos. Ele é arquiteto, ela é dona-de-casa. Porém, com as complicações de ter dado à luz a uma criança visualmente bizarra e a pessoas em volta saberem que se trata de fruto de uma abdução, eles tiveram que sumir e assumir novas identidades. Com uma vida completamente diferente, tomaram cuidado em cuidar de Carlos sem que ele tivesse contato com o mundo. O medo das consequências sempre foi enorme. Será que o governo tiraria o filho deles? Como ele cresceria se o mundo soubesse dele? Quais implicações haveriam para a família, para o garoto e para a sociedade? É por conta dessas coisas que Carlos teve como seu quarto o único mundo, pois cresceu dentro dele. E o quarto dele é um porão escondido. Confesso que uma das inúmeras influências para Cosmos é o filme "Energia Pura" (Powder, de Victor Salva) e a ideia do porão vem dali.

 

Sendo assim, ele foi educado pelos pais e teve que arranjar outras maneiras de se distrair, como livros, documentários e afins. Carlos então torna-se muito bem informado, uma enciclopédia ambulante, mas não tem tato social muito bem desenvolvido, de maneira que tem dificuldades de lidar com as pessoas e o comportamento delas.

 

Obviamente, Oscar não é o pai biológico de Carlos e no começo teve dificuldades para lidar com isso. Leila também teve suas dificuldades, mas mais relacionadas a uma gravidez planejada e à origem dela. Leila nunca deixou de abraçar a ideia de ser mãe quando descobriu-se grávida. Só estava assustada com a forma e origem disso. Com o tempo, Oscar viu Carlos como filho, enquanto o menino ficava se perguntando o que exatamente tinha acontecido para ele ser tão diferente e por que. E, claro, porque tinha que levar a vida que levava.

 

Teremos também o padre Ernesto, que ajudará Carlos com muitas questões filosóficas. Ernesto também será um personagem obviamente para servir de análise do posicionamento religioso perante todas as questões. Quero deixar claro que não é um favorecimento à Igreja Católica ou algo assim. Eu mesmo sou budista. É que somos o país mais católico do mundo, então foi uma escolha natural. Claro que não deixarei outras vertentes cristãs de lado e também não farei o mesmo com umbanda, espiritismo e afins. Todas terão vozes. O problema é que se tivesse um personagem para cada, seriam muitos personagens, atrapalhando a trama toda. Então uma escolha teve que ser feita.

 

 

Vejo o padre Ernesto como um conciliador, um guia, um fonte de conhecimento mais humano para Carlos. Mais do que ele consegue normalmente em relação às pessoas. Também haverá o lado político da coisa, pois muitas pessoas procuração a igreja em busca de respostas quando Carlos se revelar.

 

 

Haverá também o posicionamento do Vaticano a respeito. Irá entrar em conflito com as crenças de Ernesto ou não? Como Ernesto lidará com isso?

 

Haverá Jeremias, um jornalista que procurará entender as mudanças no mundo e reportá-las, lidando com as questões levantadas como se fosse um símbolo para respostas. Ele será protegido de muita gente assim como também irá incomodar muita gente.

 

 

Há vários personagens preparados para cobrir todas as questões que imaginamos. Há uma gama considerável de temas e perguntas para se falar sobre. Histórias são sobre vida, são metáforas para a vida, não importa onde more ou tenha crescido.

 

:: Quem faz Cosmos?

Eu escrevo os roteiros. Os desenhos são do fantástico Jack Herbert, que fez Kirby: Genesis e Miss Fury para a Dynamite Entertainment. Na arte-final, JP Mayer, que já fez Nightwing e Action Comics para a DC Comics, trabalhando com o Eddy Barrows. Nas cores tem Matheus Lopes, que anda fazendo muitas coisas para a Image Comics e a Dark Horse Comics. É um novo e fenomenal talento. E outro novo talento nacional é nas letras, com Deyvison Manes.

 

Se quer ver mais sobre os trabalhos da SNP, eis nossa página no Facebook:

https://www.facebook.com/supernovahq

 

No momento estamos com uma vaquinha que pode ser vista aqui:

http://centraldequad...con-experience/

 







Also tagged with one or more of these keywords: snp, supernova, supernova produções, cosmos